PRIVILÉGIO DE ERRAR

Se errar é humano, então, há um privilégio em errar. Afinal, errar evidencia nossa humanidade. Não estou romantizando o erro, e nem vou exaltar os errantes, mas não posso negar a realidade que grandes coisas boas só existem porque antes alguém cometeu um erro. Cometer falhas é uma habilidade que todo ser humano tem. Todos, sem exceção. Errar é um fato inevitável. Dizem que a única certeza da vida é a morte, errar é ainda mais certo, hoje você pode não morrer, mas com certeza irá cometer algum erro.

Neste texto não falo sobre maldades, mas sim, sobre erros, falhas. Realizar o mal é bem diferente de cometer erros. Erros todos cometem, maldades, nem todos conseguem realizar. Erros não são planejados, a maldade sempre é intencional. Erros são ações ruins cometidas involuntariamente, e maldade, são ações ruins cometidas de caso pensado e desejado.

Claro que o erro não deve ser desejado, da mesma forma, não se pode negar a certeza que ele fará parte do dia de toda pessoa. Os erros estão presentes em todos os lugares, onde estiver um ser humano, ou qualquer coisa no qual ele tenha produzido, ali haverá erros e erros.

Se errar é algo tão óbvio, porque ainda nos irritamos quando o erro acontece? Porque xingamos quando alguém erra no trânsito? Porque brigamos quando nosso cônjuge quebra um utensílio? Porque ficamos bravos quando nossos filhos derramam refrigerante no sofá? Porque perdemos a calma quando o funcionário chega atrasado? Porque o erro ainda surpreende tanta gente? Sinceramente, não entendo.

Depois do leite derramado, não há nada que podemos fazer para que o leite volte para a panela da mesma forma que estava antes. Ou seja, depois de cometido um erro não há nada que podemos fazer para voltar ao que era antes. Afinal, não existe máquina do tempo.

Infelizmente tem pessoas que falam e agem como se houvesse mesmo máquina do tempo e começam a disparar frases totalmente incoerente com a realidade, por exemplo, “você não deveria ter feito isso”, ou “você não deveria ter escolhido esta maneira”, são frases que não mudam a realidade do erro e só piora a situação fazendo com que o errante se sinta ainda mais culpado ou envergonhado pelo erro cometido. Falam como se outro tivesse errado intencionalmente, lembre-se, ninguém gosta de errar, ninguém se orgulha por cometer um erro.

Todos acordam pela manhã sabendo que em algum momento do dia irão cometer algum erro, só não se sabe quando, nem onde e nem com quem. Não seja tolo imaginando que ficará um dia sem ver outras pessoas errarem, encare a realidade e se prepare. Faça um plano de reação. Uma reação inteligente sobre o inevitável erro.

Há pessoas que fazem de tudo para não errar, mas “não errar” é um plano que já nasce fracassado. Aquela pessoa que planeja não cometer erros é o mesmo que começar um jogo sabendo que irá perder. Este tipo de pessoa vive dentro da filosofia do “menos pior”, onde, já que todos erram, é melhor aquele que comete uma quantidade menor de erros. O que realmente faz a diferença positivamente na vida das pessoas, não são a quantidade de erros cometidos, mas sim a maneira de como ela reage depois que o erro acontece. Então ao invés de planejar não errar, faça um plano de como reagir depois que o erro acontecer.

Quem procura culpados quer apenas aplicar uma punição. Quem deseja aplicar uma punição quer se sentir melhor, com consciência tranquila. Uma pessoa inteligente não procura culpados, ela encontra as melhores estratégias para lidar com as consequências dos erros. Seja inteligente, não aplique punições, mas seja um gerador de soluções diante dos erros que estão o tempo todo acontecendo em nós e através de nós.


Texto Escrito
por Joe Amaral
em Março de 2021